Com larga experiência na área, o corpo técnico da MKMBr Engenharia Ambiental já participou de vários projetos relacionados a sistemas de saneamento e recuperação de recursos hídricos, destacando-se o domínio da tecnologia de controle e remoção de nutrientes em bacias de drenagem de reservatórios. Abaixo, estão exemplificados alguns projetos desenvolvidos pela empresa.

Abaixo, uma breve explicação dos projetos desenvolvidos

Projeto Básico das Estações de Tratamento de Esgoto do Município de Uberaba - MG
  • Principais Atividades Desenvolvidas
Estudo do crescimento populacional da cidade de Uberaba; Definição dos parâmetros de projetos necessários ao dimensionamento das estações de tratamento; Seleção do processo de tratamento, avaliando a melhor solução dentre as diversas alternativas de tratamento listadas, mediante pré-dimensionamento e avaliação do custo de implantação e operação: Lagoa de estabilização convencional; Lagoa de estabilização de alta taxa seguida de polimento; Lagoa de estabilização do tipo Samambaia; Reator UASB seguido de série de Lagoas aeradas; Reator UASB seguido Biofiltro Aerado; Reator UASB seguido de Filtro Biológico; Reator UASB de sistema do tipo "Unitank". Avaliação de impacto de acordo com legislação específica relativa a implantação de estações de tratamento de esgotos no âmbito federal, estadual e municipal; Modelagem e avaliação da qualidade da água dos corpos receptores; Definição do nivel de tratamento a ser adotado, a partir da determinação da capacidade de auto depuração do corpo receptor; Avaliação do impacto do lançamento do efluente tratado no corpo receptor. Avaliação da eficiência da prestação dos serviços; Planejamento econômico financeiro da expansão dos serviços; Definição das tarifas a serem praticadas e dos subsídios associados. Memoriais descritivos e orçamentos das unidades de tratamento, contendo as descrições e critérios de medição de cada serviço previsto no projeto.
  • ETE Rio Uberaba

Unidade de tratamento em nível secundário, por intermédio da combinação de reatores anaeróbios de fluxo ascendente, seguidos de uma série de lagoas aeradas, dispondo ainda de desidratação mecânica de lodo.

  • ETE Conquistinha

Unidade de tratamento em nível secundário, por intermédio da utilização da combinação de reatores anaeróbios de fluxo ascendente, seguidos de uma série de lagoas aeradas, dispondo ainda de sistema de desidratação mecânica de lodo.

 

Projeto básico para construção do interceptor da margem esquerda do rio Uberaba, entre o córrego das lajes e a ETE Rio Uberaba, no município de Uberaba - MG.
  • Principais Atividades Desenvolvidas
Avaliação do do Sistema de Esgotamento Sanitário existente; Levantamento das cinco bacias de contribuição do interceptor Rio Uberaba, incluindo população atual e futura (2.043 habitantes) de cada bacia; Definição dos parâmetros de projeto necessários ao dimensionamento do interceptor, conforme projeto básico das Estações de Tratamento de Esgoto (Consumo de água por habitante; Coeficiente de retorno; Taxa de infiltração; Comprimento de rede de esgoto por habitante; Coeficientes de vazões máxima horária e diária; Coeficiente de vazão mínima); Determinação do incremento de vazões ao longo do interceptor; Estudo para extravasamento do volume de águas pluviais e esgoto excedente a capacidade do interceptor para o leito natural do córrego das Lajes; Avaliação dos impactos causados no rio Uberaba, por meio de balanço de carga orgânica (DBO); Detalhamento para execução das caixas de coleta e extravasão, travessias aéreas em estrutura metálica, travessias de grotas e grotões, travessia subterrânea de pista por método não destrutivo ("Tunnel Liner"), poços de visita do interceptor, recuperação de áreas degradadas e replantio de árvores, com levantamento das condições em campo.
  • Interceptor Rio Uberaba
Tubulação em concreto armado A-2 e PRFV em diâmetros de 800 a 1000 mm.

 

Estudo de concepção para complementação do sistema de esgotamento sanitário de Juiz de Fora - MG

O estudo envolveu estudos preliminares e projeção populacional onde se destacam: Levantamento da legislação ambiental específica relativa à implantação de estações de tratamento de esgotos no âmbito federal, estadual e municipal; Estudos de demanda de água para determinação dos padrões de consumo baseado no perfil sócio econômico das Regiões Urbanas de Juiz de Fora; Determinação do "per capita" médio de consumo para cada Região Urbana de Juiz de Fora, incluindo a elaboração de matriz correlacionado padrão de ocupação do solo com consumo de água; Seleção da alternativa de crescimento populacional mais adequada em comum acordo com a contratante; Distribuição da população definida no estudo populacional, no interior da mancha urbana, de acordo com o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano da cidade.

Estudo de autodepuração, concepção geral das alternativas de engenharia e concepção do tipo de tratamento, onde destacam-se: Caracterização dos corpos receptores de esgotos em Juiz de Fora; Modelagem e avaliação da qualidade da água do rio Paraibuna através do modelo matemático QUAL2E desenvolvido pela Agência de Proteção Ambiental Americana (USEPA), incluindo parâmetros físico-químicos e bacteriológicos; Calibração do modelo matemático a partir do levantamento da qualidade atual da água do rio Paraibuna; Determinação do nível de comprometimento da qualidade da água do rio Paraibuna e da variação das Classes de Enquadramento para os parâmetros DBO, OD e Coliformes Fecais; Definição do nível de tratamento a ser adotado, a partir da determinação da capacidade de autodepuração do rio Paraibuna; Seleção do processo de tratamento, avaliando a melhor solução dentre as seguintes alternativas de tratamento, como: Lodo ativado convencional; Lodo ativado de aeração prolongada; UASB seguido de lodo ativado; UASB seguido de filtro percolador; UASB seguido de biofiltro aerado; UASB seguido de flotação. Pré-dimensionamento e avaliação do custo de implantação e operação de cada alternativa, incluindo também componentes do sistema de esgotamento sanitário como coletores tronco, interceptores e estações elevatórias de esgoto bruto.

  • Sistema de tratamento para as ETEs Barbosa Lage e União Indústria
Unidade de tratamento em nível secundário, através da utilização da combinação de reatores anaeróbios de fluxo ascendente (UASB), seguidos de uma série de reatores de lodos ativados e desinfecção do efluente final realizada por intermédio de radiação ultravioleta, dispondo ainda de sistema mecanizado completo (centrífuga) para desidratação de lodos.
Projeto básico para complementação do sistema de esgotamento sanitário de Juiz de Fora - MG
  • Principais Atividades Desenvolvidas
Participação nas missões realizadas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, a Juiz de Fora para entendimento e adequação dos projetos as normas e critérios de projeto daquele organismo multilateral de crédito.

Reuniões com profissionais da Fundação Estadual de Meio Ambiente - FEAM com vistas a adequar o projeto às normas e critérios daquele órgão ambiental. Inclui participação na audiência pública relativa a definição da localização da ETE União Industria.

O Projeto Básico da complementação do Sistema de Esgotamento Sanitário de Juiz de Fora foi desenvolvido para atender ao Programa de Reabilitação Ambiental de Juiz de Fora, financiado pelo BID, que analisou e aprovou o presente projeto.
  • Características do Projeto Básico
O Projeto Básico da complementação do Sistema de Esgotamento Sanitário de Juiz de Fora envolve as etapas, conforme descrito a seguir:

Projeto básico de coletores tronco e interceptores;
Projeto básico de estações elevatórias de esgotos;
Projeto básico de estações de tratamento de esgoto;

Complementam as etapas o Descritivo técnico do projeto hidráulico e de processo, a Memória de cálculo do dimensionamento hidráulico e de processo, o Descritivo técnico do projeto elétrico, Orçamento, Plantas do projeto básico hidráulico e de processo, Plantas do projeto básico elétrico e Especificações gerais de materiais e serviços.
Carta consulta para o Programa de Saneamento Ambiental da Região do Entorno do Lago de Furnas – MG
  • Principais atividades desenvolvidas
- Descrição da situação problema, incluindo aspectos gerais, antecedentes históricos, situação atual da infra-estrutura e serviços urbanos e qualidade das águas superficiais.
- Apresentação de justificativas para a necessidade de financiamento externo;
- Definição do objetivo geral da proposta e suas vertentes, objetivos específicos, localização do projeto e população beneficiada.
-  Metodologia para implantação da proposta;
- Listagem das ações e etapas relativas ao Projeto, de acordo com o programa de investimentos da COPASA nos municípios da bacia do Lago de Furnas;
- Levantamento das informações específicas relativas à proposta, constando de: arranjo institucional da COPASA; repasse de recursos a órgãos ou instituições integrantes da administração estadual ou municipal; participação popular da Sociedade Civil, Comunidades e/ou Setor Privado; gastos com consultoria, assistência técnica e estudos durante a fase de preparação do Projeto; operacionalização do investimento; ônus e benefícios decorrentes da implantação do Projeto;
-  Impacto ambiental;
- Elaboração de cronograma anual físico financeiro do empreendimento, apresentado por componentes e fontes de recursos.

 

Projeto Executivo da unidade de tratamento de esgotos para o hotel Pousada dos Pireneus em Pirenópolis - GO
  • Principais Atividades Desenvolvidas
Definição dos parâmetros de projeto necessários ao dimensionamento da Estação de Tratamento de Esgoto, incluindo população flutuante; Elaboração do projeto executivo que inclui Descritivo técnico e Orçamento; Elaboração do Manual de Operações incluindo: Procedimentos necessários ao funcionamento da ETE projetada; Rotinas de operação das fossas sépticas, valas de infiltração, caixas de inspeção e caixas de distribuição de caráter diário, semanal, mensal e anual; Procedimentos de retirada de lodo digerido das fossas sépticas para a ETE da cidade, via caminhão fossa; Procedimento de revezamento das valas de infiltração com o uso de "stop logs".
  • Sistema de tratamento: Unidade de tratamento composta de tanques sépticos seguidos de valas de infiltração

 

Projeto Executivo de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto de Valparaízo de Goiás - GO
  • Principais atividades desenvolvidas
Avaliação de desempenho e do projeto original da ETE existente com análise alternativas para a ampliação da capacidade de tratamento da ETE, otimização do processo de tratamento utilizando modelo de lagoas aeradas em série, que combina uma lagoa aerada de mistura completa com lagoas aeradas facultativas, determinação de novos parâmetros de projeto para a ETE e modelagem do corpo receptor e determinação do impacto do efluente, após ampliação, na qualidade de suas águas.

O projeto executivo da ampliação da ETE, envolveu: dimensionamento do processo de tratamento e cálculo hidráulico; avaliação estrutural das unidades existentes, projeto de novo tratamento preliminar, novo sistema de aeração e mistura para as lagoas aeradas, nova unidade de desinfecção de efluente final por luz ultravioleta e novo galpão de desidratação dos lodos com previsão de centrífuga; estudo dos aspectos operacionais (definição da escala de funcionamento dos equipamentos e critérios para manutenção e operação das unidades de tratamento); projetos das novas unidades incluindo parte civil, mecânica e elétrica; orçamento detalhado; especificação dos equipamentos e; normas e critérios para execução das obras.

 

Projeto para o aumento da capacidade de tratamento a ETA Cidade Ocidental - GO

 

O projeto foi desenvolvido com o objetivo de aumentar a capacidade de tratamento da ETE existente, visando permitir o atendimento a uma população total de 80.000 habitantes. A solução adotada buscou maximizar o aproveitamento das instalações existentes, de forma a minimizar o custo das modificações que se fizerem necessárias. Além disso, foram incluídas unidades de desidratação mecânica de lodos e desinfecção do efluente final, por intermédio da aplicação de radiação ultravioleta.

 

Estudo de concepção da Estação de Tratamento de Esgotos da cidade de Pirassununga - SP

A Seleção do processo de tratamento avaliou a melhor solução dentre nove diferentes alternativas de tratamento: Lagoa Facultativa seguido de Lagoa de Polimento/Maturação com chicanas; Lagoa Samambaia (com UASB interno à uma lagoa facultativa) seguido de Lagoa de Polimento /Maturação com chicanas; Reator UASB seguido de Lagoas Aeradas; Lodos Ativados Convencional; Lodos Ativados por aeração prolongada; Reator UASB seguido de Lodos Ativados; Reator UASB seguido de Filtro Percolador; Reator UASB seguido de Flotação; Processo SATE (Deep Shaft). Para cada alternativa foi realizado o pré-dimensionamento hidráulico e de processo das diversas unidades componentes da Estação de Tratamento de Esgoto, avaliação econômico-financeira incluindo estimativa a valor presente de custos de implantação e OAM (operação, administração e manutenção), determinação dos custos econômico e financeiro (R$/m³) do esgoto tratado, avaliação da eficiência de remoção esperada para a ETE em termos de DQO, DBO, SST e Coliformes fecais, avaliação multicritério, utilizando-se o método PHOMETHEE II de apoio ao processo decisório, para definir a melhor alternativa de processo a ser utilizada, baseando-se nos seguintes critérios: Custo de Implantação; Custo de O&M (Operação e Manutenção); Demanda por produtos químicos; Demanda por energia; Demanda por Áreas; Simplicidade Operacional; Compatibilidade com outros sistemas; Geração de Lodos; Impacto Ambiental.

  • Sistema de tratamento
Unidade de tratamento em nível secundário, através da utilização da combinação de reatores anaeróbios de fluxo ascendente (UASB), seguidos de uma série de lagoas aeradas ou de filtros percoladores, dispondo ainda de sistema mecanizado completo para desidratação de lodos.
 
 

Estudo de Concepção da adequação e ampliação do Sistema de Abastecimento de Água de Cordeirópolis - SP

 

  • Principais atividades desenvolvidas

Inspeção de campo para coleta, análise e apresentação de dados; localização das unidades de captação, adução, tratamento, reservação e distribuição do Sistema de Abastecimento de Água existente, obtendo suas coordenadas por meio de satélites, através de equipamento GPS (Sistema Global de Posicionamento);  levantamento de mapas e cadastros existentes; estudos das demandas de água; avaliação das perdas físicas existentes no sistema produtor e distribuidor;definição dos critérios e parâmetros de projetos; previsão detalhada do crescimento populacional; projeção da demanda de água prevista para o atendimento do município, inclusive perdas físicas futuras, durante o horizonte do projeto, de 20 anos; definição de plano mínimo para controle de qualidade da água bruta e tratada; levantamento dos dados relativos aos mananciais existentes; proposição de alternativas de novos mananciais para a ampliação da capacidade de produção de água bruta; diagnóstico do Sistema de Abastecimento de Água existente; desenvolvimento de alternativas para ampliação da capacidade do Sistema de Abastecimento de Água; proposição de alternativas para ampliação do sistema de reservação / distribuição; revisão dos anéis de distribuição de forma a otimizar a pressão existente nas redes da malha urbana; análise das diferentes alternativas em termos técnicos, econômico-financeiro e ambiental; sistema de Controle Operacional Automatizado para o Sistema de Abastecimento de Água de Cordeirópolis, com base em telemetria e telecomando; detalhamento da alternativa eleita; impacto do investimento necessário da alternativa eleita na tarifa praticada pelo SAAE; plano de ação e cronograma de implantação das obras a ser adotado pelo SAAE / Prefeitura Municipal para implantação das unidades componentes da alternativa eleita.

 

 Projeto do Sistema de Esgotamento Sanitário de Rondonópolis-MT
  • Projeto Executivo dos Coletores Tronco, Interceptores, Emissários e Estações Elevatórias de Esgoto.
Avaliação geral do sistema de coleta e tratamento de esgoto para as bacias do Município de Rondonópolis;Definição dos critérios de projeto necessários ao dimensionamento dos coletores, interceptores e emissários; Especificações das travessias subterrâneas por método não destrutivo, poços de visita, recuperação de áreas degradadas e replantio de árvores; Descritivo técnico das estações elevatórias de esgoto; Dimensionamento dos coletores tronco, interceptores e emissários com definição dos diâmetros, materiais e declividades da tubulação dos coletores; Dimensionamento das elevatórias com definição do tipo e potência das bombas, dimensões dos poços e o material das linhas de recalque das elevatórias; Caracterização da alimentação de energia e cabine de medição, subestação rebaixadora, distribuição de força, iluminação externa e interna, QDFs (Quadro de Distribuição de Força) e CCMs (Centro de Controle de Motores), instrumentação e automação, proteção contra descargas atmosféricas e aterramento; Orçamento dos coletores tronco, interceptores, emissários e estações elevatórias de esgoto; Projetos dos coletores tronco, interceptores e emissários; Projeto hidráulico das estações elevatórias de esgoto; Projeto elétrico das estações elevatórias de esgoto; Projeto de Cálculo Estrutural dos Poços de Visita e poços das estações elevatórias de esgoto.
 
  • Projeto Executivo da Estação de Tratamento de Esgoto

Dimensionamento do processo de tratamento e cálculo hidráulico; Avaliação estrutural das unidades existentes, projeto de novo tratamento preliminar, novo sistema de aeração e mistura para as lagoas aeradas, sistema de desidratação de lodo; Descritivo técnico do processo de tratamento; Definição dos elementos urbanísticos necessários para a Estação de Tratamento de Esgoto: gramado, pavimentação, drenagem, passeios, meios-fios, escadas, plantação arbórea e cercamento; Caracterização da alimentação de energia e cabine de medição, subestação rebaixadora, distribuição de força, iluminação externa e interna, QDFs (Quadro de Distribuição de Força) e CCMs (Centro de Controle de Motores), instrumentação e automação, proteção contra descargas atmosféricas e aterramento; Orçamento da Estação de Tratamento de Esgoto; Projeto hidráulico e de processo; Projeto elétrico; Projeto de Cálculo Estrutural das unidades que compõe a ETE.

 

Estudos de Concepção e Projeto Básico e Executivo da Estação de Tratamento de Esgotos de Praia do Paiva – Município de Cabo de Santo Agostinho - PE
  • Principais Atividades Desenvolvidas.
Estudo de concepção para definição do processo de tratamento mais recomendado para atingir a eficiência desejada, envolvendo a determinação da qualidade desejada para o efluente da unidade de tratamento, de acordo com o corpo receptor e a qualidade desejada para suas águas; definição das alternativas de processo a serem dimensionadas em conjunto com o contratante.

Projeto executivo da ETE Praia do Paiva para tratar uma vazão média de 152 l/s, com lançamento no rio Pirapama, com tratamento preliminar, sistema por lodos ativados de aeração prolongada, adensamento dos lodos gerados por processo de flotação por ar dissolvido e desidratação dos lodos por meio de prensa desaguadora de esteira.
 
 Reúso de água no Distrito Industrial de Maracanaú - CE
 
Estudos de concepção e elaboração de proposta de modelagem da gestão para a implantação de um sistema de produção e distribuição de efluente tratado para reúso do Distrito Industrial de Maracanaú. Maracanaú conta com o maior Distrito Industrial em funcionamento no Ceará, com indústrias do setor têxtil, química e metalurgia e os de produtos alimentícios, além das indústrias tradicionais, as quais dão o caráter da indústria cearense. A população de Maracanaú em 2000 era de 174.600 habitantes, praticamente toda urbana. Em 2000, o esgotamento sanitário caracterizava-se pela existência de vários sistemas independentes, com unidades próprias de coleta, transporte, tratamento e destino final. As áreas não atendidas com sistema público de esgotamento sanitário, onde também não existiam serviço público de abastecimento de água, eram adotadas as soluções individuais do tipo fossa-sumidouro e captação de água do lençol freático. Havia uma ETE, composta por um conjunto de 5 lagoas de estabilização de esgoto, sendo a primeira do tipo Anaeróbia, a segunda do tipo Facultativa, seguidas de 03 (três) lagoas de Maturação, que ocupava uma área construída total de 100 hectares. A CAGECE operava o sistema integrado de esgoto doméstico e industrial (SIDI) em Fortaleza que recebia em torno de 350 L/s de águas residuárias. Desta vazão 60% eram de origem doméstica e 40% de origem industrial. A fração industrial era gerada por um conglomerado de 96 empresas em funcionamento de várias atividades nas quais se destacam principalmente a indústria têxtil, mas também matadouros e curtumes. Esta vazão tinha um acréscimo de 60 L/s de esgoto doméstico com a interligação do sistema de esgotamento da cidade de Maracanaú.

A utilização da água com qualidade inferior, sem a necessidade de atendimento ao padrão de potabilidade, mas apropriada aos fins a que se destina e produzida a partir do polimento de efluentes tratados, permite que um considerável volume de água seja poupado para o abastecimento público, o que é social, sanitária e economicamente justificado, especialmente em períodos de estiagem prolongada. Com esse intuito a MKMBr realizou um estudo de concepção abrangente composto de:

  • Diagnóstico Técnico da Estação de Tratamento de Esgotos do SIDI de Maracanaú;
  • Diagnóstico Técnico da Demanda do Produto;
  • Concepção do Sistema de Tratamento Proposto;
  • Concepção do Sistema de Distribuição Proposto e Estudos Preliminares de Impacto Ambiental;
  • Estudos de Estrutura Tarifária e Viabilidade Econômico-Financeira;
  • Proposta de Modelagem do Empreendimento.
Participação no "Plano Estadual de Recursos Hídricos do Estado da Bahia - PERH-BA"
 
Participação no Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bahia com a prestação de serviços de consultoria das atividades:
  • Estudos de Saneamento relacionados ao Plano Estratégico de Recursos Hídricos da Bacia dos Rios Tocantins e Araguaia;
  • Propostas e avaliação de cenários futuros para as questões de saneamento básico dos municípios da Bahia;
  • Detalhamento dos Programas de Saneamento e Sistema de Gestão;
  • Avaliação da disponibilidade de recursos hídricos regionais (superficiais e subterrâneos), nos seus aspectos quantitativos e qualitativos, visando a sua utilização nos aspectos espacial, setorial e temporal do Plano;
  • Definição de regiões de planejamento dos recursos hídricos, denominadas "Regiões do PERH-BA" a partir da associação das divisões hidrográficas e hidrogeológicas às regiões de desenvolvimento econômico;
  • Formulação de cenários alternativos de uso, controle e proteção das águas, das alternativas de incremento da disponibilidade de recursos hídricos, da melhora do gerenciamento das disponibilidades e demandas hídricas, e seleção das melhores alternativas através de técnicas de otimização sócio-econômica;
  • Elaboração de um documentário técnico informativo sobre a situação dos recursos hídricos nas regiões do PERH-BA, que, além de embasar o Plano, serviu para divulgar informações a respeito do tema para entidades públicas e privadas interessadas no assunto;
  • Identificação das medidas, que visavam definir o aproveitamento integrado dos recursos hídricos tendo como unidade espacial de planejamento as regiões do PERH-BA para os setores de atividade econômica mais diretamente relacionados com a vocação e as potencialidades de cada região;
  • Concepção de um sistema de gerenciamento das águas do Estado da Bahia, em consonância com as diretrizes do Plano Estadual de Recursos Hídricos, que permitiu a administração e a gestão dos recursos hídricos, de forma a atingir um equilíbrio entre as disponibilidades e as demandas de água atuais e futuras;
  • Diagnóstico da situação atual dos sistemas de abastecimento d'água, coleta e tratamento de esgotos sanitários, drenagem pluvial urbana e coleta e disposição de lixo.
 Projetos básicos para sistemas de esgotamento sanitário no Mato Grosso do Sul - MS
 
Vários projetos básicos para sistemas de esgotamento sanitário no Mato Grosso do Sul, incluindo as estações de tratamento de esgotos:
  • ETE Aparecida do Taboado: Estação composta por tratamento preliminar, reator anaeróbio, biofiltro aerado e leitos de secagem de lodos. A ETE foi concebida para ser implantada em três etapas, sendo que em cada etapa, foi construído um módulo do reator anaeróbio e do biofiltro. A primeira etapa foi projetada para a vazão média de 19,76 L/s; a segunda, 40,32 L/s e a terceira etapa, 50,38 L/s;

  • ETE Aquidauana: Os resultados da análise técnico-econômica indicaram como melhor opção de tratamento o processo composto pela associação de um reator anaeróbio de fluxo ascendente e uma lagoa facultativa, sendo o primeiro colocado interno à última, em um esquema de processo conhecido como lagoa do tipo Samamabaia. As principais características deste tipo de combinação de processos são: grande facilidade de operação e manutenção, elevada estabilidade operacional com elevada capacidade de remoção de matéria orgânica, resistência a choques hidráulicos e principalmente de carga e baixo custo de implantação. A ETE atende uma população de 28.800 habitantes, e possui vazão média de projeto de 57 L/s;

  • ETE Bodoquena: tratamento em nível secundário para atender uma população de 12.063 habitantes com vazão média de projeto de 16,92 L/s. O tratamento consiste na associação de um reator anaeróbio de fluxo ascendente seguido de disposição em solo, processo conhecido por “overland flow”. As principais características desses processos são: o baixo impacto ambiental, a facilidade de operação e manutenção, a baixa produção de lodos, a elevada estabilidade operacional com elevada capacidade de remoção de matéria orgânica, a baixa mecanização e o baixo custo de implantação;

  • ETE Bonito: Estação composta de tratamento preliminar, reator anaeróbio, biofiltro, leitos de secagem de lodo e leitos de disposição de efluentes no solo;

  • ETE Corumbá: tratamento em nível secundário composto por duas etapas de tratamento, compreendendo um reator anaeróbio de fluxo ascendente seguido de biofiltro aerado. A combinação de processos adotada permite elevadas remoções de matéria orgânica e sólidos em suspensão, devido ao uso de uma unidade compacta e de operação simplificada. Na primeira etapa a população atendida foi de 78.820 hab, com vazão média de 48,57 L/s e na segunda, 145.940 hab e 244,49 L/s. A ETE Corumbá foi concebido em dois módulos, cada módulo composto por dois reatores UASB e 8 biofiltros aerados. Na primeira etapa apenas o módulo 01 foi executado. O tratamento preliminar e a unidade desaguadora foram construídos em uma única etapa, estando prevista a instalação de uma segunda centrífuga caso venha a ser necessário;

  • ETE Guachini: : Estação composta por tratamento preliminar, reator anaeróbio, decantador, filtro biológico e leitos de secagem de lodos. A ETE atende uma população de 42.000 habitantes, sendo a vazão média de projeto igual a 120,40 L/s;

  • ETE Ladario: : A ETE -Ladário tem tratamento em nível secundário, através de reatores anaeróbios de fluxo ascendente seguido de biofiltro aerado. O tratamento produz um efluente compatível ao lançamento no rio Paraguai, a população atendida é de 26.600 habitantes e a vazão média de projeto da ETE é igual a 52 L/s;

  • ETE Laranja Doce: Estação composta por tratamento preliminar, reator anaeróbio, decantador, filtro biológico e leitos de secagem de lodos. A ETE atende uma população de 23.000 habitantes, sendo a vazão média de projeto igual a 40,25 L/s;

  • ETE Nioaque: A ETE foi dimensionada para realizar o tratamento em nível secundário, por meio da associação de um reator anaeróbio de fluxo ascendente seguido pela disposição em solo encharcado cultivado, processo conhecido por “wetland”. As principais características desse tratamento são: o baixo impacto ambiental, a facilidade de operação e manutenção, a baixa produção de lodos, a elevada estabilidade operacional com elevada capacidade de remoção de matéria orgânica, a baixa mecanização e o baixo custo de implantação. A população atendida pela ETE foi de 12.800 habitantes, sendo a vazão média de projeto igual a 14,87 L/s;

  • ETE Rio Verde: Estação composta por tratamento preliminar, reator anaeróbio, filtro biológico e leitos de secagem de lodos.

Estudos de Concepção e Projeto Básico da Estação de Tratamento de Esgotos de Serraria – Porto Alegre - RS

 

A MKMBr desenvolveu o Estudo de Concepção e Projeto Básico da ETE Serraria, em Porto Alegre-RS. A ETE Serraria consiste em uma unidade de tratamento em nível secundário, através da utilização de reatores anaeróbios de fluxo ascendente, seguido de lodos ativados de aeração prolongada, assistida por coagulante metálico para remoção adicional de fósforo. A primeira etapa contemplou a utilização dos reatores UASB seguidos de polimento químico, através de floculação e decantação, sendo os lodos produzidos submetidos à desidratação mecânica através de centrífugas. Na segunda etapa de implantação o processo será complementado, substituindo a decantação assistida por uma etapa de lodos ativados por aeração prolongada, com remoção biológica de nutrientes. A população de projeto é de 1.200.000 habitantes, vazão máxima do afluente de 4.115 L/s e carga orgânica de 64.800 kg DBO5/d.